Vermelho


 
Mark Rothko, Untitled (Seagram Mural sketch), 1959 , National Gallery of Art, Gift of The Mark Rothko Foundation, Inc., 1986.43.156 

Vermelho.
O que é o vermelho para você? Uma cor? Sangue? Rosa? Inferno? Bonito? 
Qualquer coisa menos Vermelho! Legal? Legal!
Não, esta resposta jamais poderia ser aceita por Mark Rothko. Legal é muito pouco. Agora tudo se traduz em legal:
- Como você está? Legal!
- Vamos ao cinema comigo? Legal!
- O que você achou da exposição? Legal!

Mark Rothko, pintor autodidata, nasceu em 1903 em Dvinski, na Rússia. Suas obras davam ênfase na cor e na forma. É considerado um dos principais artistas do movimento Expressionismo Abstrato. O artista dava muito valor à filosofia e à arte, sendo Friedrich Nietzsche um dos seus influenciadores no pensamento.
Na peça escrita por John Logan e dirigida por Jorge Takla, Mark Rothko é uma pessoa extremamente preocupada com o sentido da vida, inflexível e rigoroso em seus ideais.
A criação de seu assistente - Ken, interpretado por Bruno Fagundes - faz com que a peça ganhe um sentido especial e para o pintor uma espécie de alter ego muito indagativo que possui uma visão contrária sempre dando opiniões e tentando dar um propósito para as obras modernas, para a cultura de massas - a Pop Art - que Rothko considerava vazias de significação, apenas imagens para suprir aquela nova fase tumultuada de pessoas que não sabiam admirar a arte em si.
Mark Rothko, interpretado por Antonio Fagundes, aceita um valor financeiro muito alto para expor seus quadros em um espaço de um restaurante em Nova York. A peça se desenrola na criação dessas obras: tinta em pó vermelha jogada ao palco, misturas de tintas para alcançar a devida cor, pintura completa do fundo de um quadro, bebidas e uma postura muito particular, inclinada para um dos lados, em que Mark segurava seu cigarro e observava seus projetos.
Porém, o artista vivia em uma crise psicológica intensa pela qual era sugado, e após visitar o restaurante, o pintor desiste da empreitada, pois acreditava que os clientes não dariam a devida atenção às suas obras que considerava uma extensão de sua vida, sendo assim devolve todo o dinheiro adiantado, atualmente este montante equivaleria a dois milhões de dólares.
A peça é muito envolvente e nos leva a filosofar, a pensar na metafísica que sempre acabamos por nos questionar. O espírito  jovial de Ken contrapõe-se as vertentes inflexíveis de Rothko em um ateliê de pintura.  Neste espaço de trabalho não havia a luz do dia, pois incomodava o artista irrefutável e irreversível.
Por fim, Mark Rothko suicidou-se em 25 de fevereiro de 1970 e grande parte de suas obras estão expostas na Galeria Nacional de Washington.

Esta é uma ótima oportunidade para um belo encontro de arte, cultura e educação evocando uma sensibilidade de pensamento um tanto escasso, e conduzindo seus espectadores a "um espetáculo de extrema beleza plástica, cheio de paixão, polêmico, vital. Fica o convite para que sonhem conosco. Vermelho. Bem vindos ao teatro" - Antonio Fagundes.


Onde: Teatro GEO - Rua Coropés, 88 - Pinheiros, São Paulo
Quando: Quinta e Sábado 21h. Sexta: 21h30. Domingo: 18h
Duração: 80 minutos
Classificação Etária: 12 anos

 
Antonio Fagundes (Mark Rothko) e Bruno Fagundes (Ken)


Mark Rothko

Nenhum comentário: